Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O equilíbrio na doçaria

Segunda-feira, 02.05.16

 

A doçaria da Beira Baixa a que fui habituada na infância era perfeita no equilíbrio entre o doce e o amargo, o seco e o fofo. Os biscoitos, o pão de ló, o bolo de canela, o bolo de mel, o bolo de festas, as filhozes. O sabor perfeito a que eu chamo a poesia doce. A minha avó materna e as minhas tias paternas eram verdadeiras artistas.

E havia a doçaria da Fernanda, os bolos da Beatriz, os bolos da fábrica da Figueira da Foz.

 

Mais tarde provei doçaria conventual e notei o exagero na quantidade de açúcar. Fiquei, no entanto, encantada com os pastéis de Tentúgal (que ganhariam em baixar a quantidade de açúcar no recheio de gemas de ovo), os pastéis de Santa Clara, os ovos moles de Aveiro, as queijadas de Sintra.

 

Há um encantamento geral pelos pastéis de nata e pelos pastéis de Belém. Mas quem, como eu, provou um pastel de nata, de nata mesmo, a cor e o sabor da nata, como fazia a Beatriz, nunca mais se consolará com qualquer outro. Tenho tentado reproduzir a fórmula perfeita da massa e do recheio desses pastéis de nata da infância sem qualquer sucesso. Mas ainda não desisti.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 12:06

Nem Sortelha escapa?

Quinta-feira, 08.04.10

 

Deve ter sido mais uma alucinação auditiva: colocar hélices eólicas praticamente em cima desta aldeia histórica... para adquirir uns trocos, pelo que percebi do presidente da Câmara, progresso e tal, conciliar o passado com o séc. XXI... foi a ideia que ficou... estamos aqui isolados...

Só quem não percebe nada de nada dos nossos maiores trunfos, o que é genuíno e se mantém no tempo, esses lugares procurados pelo sossego, pela beleza indescritível desse espaço... a pedra, as casas, o silêncio...

 

Nem Sortelha escapa à voracidade desta gente que nada percebe do que é um país, a alma desse país, a beleza desse país?

Nem Sortelha escapa à falta de sensibilidade estética desta gente que nada percebe de um país poético, onde cada vez temos mais dificuldade em ouvir o silêncio?

Nem Sortelha escapa à ignorância cultural e histórica desta gente que nada percebe sobre equilíbrio e organização das diversas áreas territoriais?

 

A Beira Baixa da minha infância já foi invadida pelas hélices eólicas, a tal ponto que o perfil das suas montanhas já está irreconhecível. Mas enfim, há lugares em que se justificará o aproveitamento do vento. Mas em Sortelha? Uma aldeia histórica? Única? Que permanece no tempo?

Lá terei de procurar a Petição para assinar, pois ouvi no rádio que já corre na internet.

 

 

Petição online Vamos salvar Sortelha: está aqui. É certo que só nos envolvemos no que de alguma forma, por vezes inexplicável, nos toca e sensibiliza. A beleza poética dos lugares da Beira Baixa está ligada às minhas memórias mais felizes. Ainda há pequenos oásis por destruir, mas já são muito poucos. Sortelha é um deles. E não é só a beleza indescritível desta aldeia, é o silêncio, o ar ainda respirável, a sensação de espaço...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 13:31

Do Baú:

Segunda-feira, 04.05.09

 

 

Partir como quem nunca esteve

 

Sombra de uma nuvem

que passa em câmara lenta

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 15:25

Do Baú:

Segunda-feira, 04.05.09

 

 

A tarde escurece em tons cinza

 

Vejo-a tornar-se noite, lentamente

também dentro de mim...

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 15:19

Do Baú:

Quarta-feira, 15.04.09

 

 

Porque passamos a vida a dizer adeus?

 

 

 

 


 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 22:33

Do Baú:

Quarta-feira, 15.04.09

 

 

Quem de mim sabe o nome

e a ternura?

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 22:30

Do Baú:

Quarta-feira, 15.04.09

 

 

A luz escorrega pela sala

lentamente

ilumina-me agora o caderno

toca-me nos dedos

amarelada e ténue

treme por trás da folhagem

 

Ficar assim

muito quieta

e deixar o vento passear por mim

sem nada alterar

nem esta tarde quase-noite

 

 

 



 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 22:23

Do Baú:

Quarta-feira, 15.04.09

 

 

Que fiz eu a esse tempo todo

que a realidade insiste em mostrar

que passou

por mim   pelos demais   pelas coisas

 

e eu sem saber o que fiz a esse tempo

sem o ter sentido passar

 

 

 


 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 22:17

Do Baú:

Quarta-feira, 15.04.09

 

 

Nunca como agora

senti esta urgência de chegar a casa

 

Nunca como agora

perante este céu a escurecer

com as árvores por companhia

 

 

 



 

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 08:54

Do Baú:

Quarta-feira, 15.04.09

 

 

Casa em ruínas

sol oblíquo

jardim outonal

 

Tempo-espaço concreto

onde desejaria permanecer

 

 

 



 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ana Gabriela A. S. Fernandes às 08:46








comentários recentes


Posts mais comentados


links

coisas à mão de semear

coisas prioritárias

coisas mesmo essenciais

outras coisas essenciais

coisas em viagem